quarta-feira, 21 de abril de 2010

Quem é vivo sempre aparece

Depois de um longo tempo sem nem sequer entrar no blog, eis que hoje me deparei pelo acaso da vida com ele e me bateu uma imensa saudade quando li o título “Faire de beaux rêves”. Poxa... Realmente eu sonhei muito em estar aqui e como foi bom todo esse sonho. Voltei no tempo olhando o blog e é por isso que hoje estou aqui para revivá-lo. Sei que esse meu sonho realisado é o sonho de muitos ainda a realisar e o meu projeto de ajudar nesse caminho ainda está vivo. Na vida, às vezes, precisamos mesmo de um tempo e foi isso o que aconteceu. Dei um tempo do blog, mas agora acho que tá na hora de voltarmos à nossa parceria. Sei que muita gente já passou por aqui para dar uma olhada... Fiquei impressionada com o número de acessos... E também um pouco reflexiva sobre esse nosso sonho: o de emigrar e imigrar. Questionamentos sobre o quê que nos traz aqui, por quê continuamos apesar de toda a saudade e as dificuldades que enfretamos. Pensamentos que daqui pra frente dividirei com os que aqui passarem novamente. Falarei por mim, pelas minhas experiências... Espero que ninguém as tome pessoalmente para si, pois cada existência é diferente, e é assim que deve ser. Estou aqui há 1 ano e meio já. O tempo vôou e eu nem percebi. Na verdade eu percebi sim em todos os momentos de ausência da família e dos amigos. Quantas saudades! São imensas e sofridas... Há quem diga que o pior é o primeiro ano longe de casa... Eu digo que o pior é depois de um ano, quando a rotina já está instaurada novamente. No começo, é tudo novidade, são muitas descobertas. Depois, a cidade não tem mais tanto aquele glamour e a dolarama deixa de ter graça =P Eu ainda não digo que me sinto em casa, porque sempre quando estou triste penso “eu quero ir pra casa”. Ainda não me sinto como eu me sentia no Brasil. Estar longe implica ganhos, mas também perdas... E eu parcularmente as sinto e muito. Sou uma pessoa muito ligada aos amores que tenho, às pessoas que estão no meu coração. Essa é uma particuliaridade minha e que faz da minha daptação um processomais mais doloroso e lento. Eu sinto mais aonde vivo como uma estadia com o meu cheiro e a minha cara, mas ainda não a vejo como o meu lar. Essa é a parte mais difícil pra mim aqui. Porém, há dias em que eu ando nas ruas e eu penso “caramba! Eu estou aqui! Isso não é um sonho!” e fico maravilhada com a emoção de estar realisando um grande sonho. A vida aqui é um duo em tudo. Um verdadeiro exercício para os que estão acostumados à sua zona de conforto. Hoje quando me pergunto pelo verdadeiro motivo de estar e continuar aqui, me vem sempre em mente “para viver”. Sou uma pessoa muito maior agora e imensamente grata pela oportunidade de ter apredido tanto coisa em tão pouco tempo. Ter emigrado pra mim foi como ter lido um livro bom. Não sei como descrever a sensação de “se estar” em um livro, mas sei que vocês me entendem.

P.S. Desculpem se houver algum erro de Português, mas é que faz muito tempo que não escrevo mais na minha língua. Preciso praticar =)

2 comentários:

Taty disse...

gisa,

que lindo seu post.... acho que esses posts verdadeiros, de coração valem por mais do que mil dicas sobre a imigração propriamente dita (não que nós que estamos aqui não precisemos deles, mas um choque de realidade é sempre bom pra, dar uma baixada na bola).

eu sou do time tb da empolgação... acho que só com a rotina que vem a real saudade... mas eu já tive a experiência de viver um sonho e sei bem como é...

beijos

Anônimo disse...

Gisa,

Maravilha seus cometários. A realizade nos faz pensar e ponderar os pros e contras de tudo.

O crescimento que vc teve nesse ano, não tem preço e servirá para o resto de sua vida!!

Bjsssssssssss